Os quatro passos da transformação com significado na educação brasileira

(Texto de Caio Dib)

Uma mudança silenciosa acontece no Brasil nos últimos anos. Iniciativas que fazem a diferença em diversas partes do país estão cada vez mais conhecidas, e as pessoas descobrem que cada um de nós pode realmente colocar a mão na massa e introduzir as transformações, visando uma sociedade melhor, mais justa e igualitária.

Em 2013, viajei o Brasil de ônibus durante mais de cinco meses para conhecer as diversas realidades brasileiras e descobrir iniciativas transformadoras em Educação. O projeto de viagem foi chamado de Caindo no Brasil, cuja trajetória envolveu 58 cidades em 14 estados e o Distrito Federal. Nos mais de 17 mil quilômetros rodados, conheci cerca de 30 escolas e projetos, além de centenas de pessoas que realizam transformações locais e regionais por meio da Educação.

Ao participar de um encontro para contar um pouco dessa experiência, no TEDxUnisinos 2013 (https://www.youtube.com/watch?v=uQRGShlDznY), comecei minha fala com “Se ao invés de 15 minutos eu tivesse 15 segundos para deixar uma mensagem para vocês, diria que existe muita coisa boa acontecendo na Educação brasileira”. Dois anos depois, entendo que as boas notícias ainda precisam ser mais divulgadas, e muitos projetos locais e regionais ainda precisam ser conhecidos. Porém, atualmente estamos em um momento de apontar caminhos e construir tecnologias próprias para que essas experiências – com seus aprendizados, erros e acertos – sejam espalhadas e instituídas pelo país com base nas realidades locais.

Em uma reunião de trabalho, li em um dos slides sobre “estratégias para mobilização” de pessoas. Nunca mais encontrei essa referência, mas tomei a liberdade de adaptar esse conteúdo para uma jornada de quatro passos de transformação com significado, partindo da escolha de um eixo de ação temático, no caso, a Educação. Esses quatro passos são:

  1. Entender que é importante: ter clara a notoriedade do tema Educação. Quase todos entendem que Educação é uma das áreas mais importantes da sociedade. Está nas prioridades da pauta nacional e constitui até mesmo um slogan do governo federal; engloba o maior orçamento nas três esferas governamentais (federal, estadual e municipal).
  1. Fazer sentido pessoal: para instaurar uma verdadeira transformação, é preciso se conectar com o tema abordado. “Por que a Educação é importante para mim?”. Essa etapa necessita de autoconhecimento e deve garantir uma conexão especial e profunda com o tema abordado.
  1. Mostrar que é possível: depois que entendemos que a Educação é um tema muito importante e que ela tem sentido para cada um de nós, é preciso mostrar que é possível realizar transformações efetivas, que outras pessoas também estão agindo na mesma direção. Em 2013 e 2014, integrantes do Caindo no Brasil e de diversos outros projetos trabalharam para descobrir e divulgar iniciativas que estavam fazendo a diferença. Na atualidade, sabe-se mais que existe, sim, muita coisa boa acontecendo na área educacional. Em 2016, por exemplo, São Paulo ganhou o primeiro FabLab voltado para Educação Básica do Brasil. No Fab LAB Educação, crianças e educadores podem criar projetos associados às matérias curriculares em impressoras 3D e cortadoras a laser. Além disso, esse negócio social busca apoiar instituições de educação na criação de laboratórios nas próprias escolas e na formação de educadores integrados à cultura maker.

Crédito: Caio Dib/Acervo pessoal.

  1. Mostrar como/Apontar caminhos: em 2015, muita gente já tinha conhecimento das centenas de iniciativas em Educação que estavam transformando vidas e realidades no Brasil. Então, a pergunta “como eu posso fazer isso também?” começou a ser mais frequente em cafés e eventos da área. O projeto Desabafo Social, que atua com protagonismo juvenil por meio das áreas de Direitos Humanos da Infância e Juventude, Comunicação e Educação, caracteriza-se por ser admirável, mas a pergunta que precisa ser respondida é “como eu posso montar uma rede de jovens em 13 estados brasileiros para falar de um tema de meu interesse?”.

É importante destacar que uma iniciativa na etapa 1 (Entender que é importante) não necessariamente está muito atrás das iniciativas posteriores (da etapa quatro, por exemplo – Mostrar como/Apontar caminhos). No já citado LAB Educação, por exemplo, os integrantes trabalham para introduzir a educação maker no contexto brasileiro. Essa cultura de educação baseada no aprender fazendo ainda é pouco conhecida e aplicada no Brasil. Por isso, o LAB Educação e outros agentes da área precisam torná-la conhecida, para a população entender a importância desse tipo de metodologia e realmente se conectar com o tema, atribuir-lhe significado. O Caindo no Brasil, por sua vez, tem projetos que já estão buscando criar tecnologias sociais para que possam ser replicados em diferentes contextos e realidades.

Fica o convite para vocês serem cada vez mais transformadores em suas áreas e, principalmente, apontarem caminhos e sistematizarem os aprendizados para outras pessoas construírem suas jornadas de transformação e melhorarem cada vez mais o Brasil. Seguimos juntos nessa!

 

 Caio Dib é criador do Caindo no Brasil. Ele adora trocar ideias e marcar cafés, então, para continuar essa conversa, entre em contato pelo www.facebook.com/caio.dib ou caiodib@caindonobrasil.com.br. 

 

 

Crédito da foto principal:  Wavebreakmedia/Shutterstock.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *