Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

O que os jovens estão nos dizendo

(Texto de Rosangela Guerra)

Os jovens levam para a sala de aula a sua cultura e o seu modo de ver o mundo. Os questionamentos da juventude nos provocam e nos fazem refletir: há espaço para a participação juvenil na escola?

 

Para a secretária de educação de Minas Gerais, Macaé Evaristo, o modelo atual de escola não representa os jovens de hoje. “Eles têm se manifestado nas ruas e nas redes sociais, pela melhoria da educação, em defesa da cidadania e da diversidade. Com isso, estão nos dizendo que é preciso promover mudanças para atender às demandas da contemporaneidade”, diz. Ela argumenta que os gestores públicos precisam se colocar em uma posição de escuta para construir novas estratégias na educação.

Em função disso, a Secretaria de Estado de Educação de Minas (SEEMG) promoveu rodas de conversas em várias regiões do estado, envolvendo cerca de 3 mil pessoas, entre estudantes do Ensino Médio e educadores. Os coletivos juvenis foram também convidados a participar do diálogo com a SEEMG.

Roda de conversa com jovens (município Ponte Nova). Crédito da foto: Arquivo SEEMG (Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais)

Macaé lembra que uma questão recorrente nessas conversas é a necessidade de a escola se abrir para a participação da juventude, não apenas nos modelos tradicionais – como grêmios estudantis e conselhos escolares – mas também na gestão do currículo e no desenvolvimento de processos de construção do conhecimento. “Os jovens têm nos mostrado que aprendemos na vida, e não só na escola. Temos, então, o desafio de concretizar essa conexão”, diz a secretária.

Um dos resultados das ações da SEEMG foi a reestruturação do Ensino Médio noturno e da Educação de Jovens e Adultos (EJA), com a inserção na grade curricular da disciplina Diversidade, Inclusão e Mundo do Trabalho (DIM). Esse novo conteúdo escolar interage com as quatro áreas de conhecimento (Matemática, Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza e Ciências Humanas) e possibilita um diálogo com a realidade vivida pelo estudante.

Na Escola Estadual Imaculada Conceição, na cidade de Pedro Leopoldo, um aluno da EJA, que é confeiteiro, propôs a realização de um projeto sobre doces brasileiros nas aulas de DIM. Para isso, a escola disponibilizou uma sala que passou a ser utilizada como espaço de gastronomia. Conteúdos de Biologia, Química e Matemática foram utilizados para estudo da composição dos alimentos, do custo dos ingredientes e das unidades de medida. Os alunos capricharam na escrita das receitas com clareza e precisão. O grupo envolvido nesse projeto entrevistou doceiros antigos da cidade e pesquisou os doces tradicionais para ampliar os conhecimentos sobre a culinária regional.

Outra medida com bons resultados nas escolas estaduais mineiras foi a mudança do horário das aulas do noturno: o início passou de 18 h para 19 h e o final, de 22h30 para 22h15. Essa medida simples passou a evitar os atrasos do aluno trabalhador e contribuiu para aumentar a frequência às aulas.

Trabalhos coletivos e desafiantes

A Escola Estadual Olegário Maciel fica em um prédio histórico do centro de Belo Horizonte e atende alunos do Ensino Médio. A maioria mora em áreas de vulnerabilidade social da cidade e da região metropolitana. Os jovens circulam pela escola cheios de estilo com piercings, alargadores, bonés, tatuagens e cortes de cabelo criativos. As meninas assumem os cachos e os penteados afro. Na hora do intervalo, a rádio-escola toca os ritmos de que a juventude gosta.

Articulados e questionadores, os alunos do Grêmio Estudantil têm como prioridade as questões LBGT, étnica e a situação da mulher. A turma do Grêmio participa de manifestações nas redes sociais e nas ruas sobre política e movimento estudantil. Além disso, costuma ir à Câmara Municipal de Belo Horizonte e à Assembleia Legislativa de Minas Gerais quando uma pauta de interesse está em discussão.

O diretor Michael Rodrigues conta que a proposta da Olegário Maciel é fazer com que os estudantes sejam protagonistas no processo de construção do conhecimento. Para isso, eles são estimulados a desenvolver projetos interdisciplinares sobre temas próximos à sua realidade. São trabalhos coletivos cheios de desafios e feitos muitas vezes fora dos muros da escola, como no campus da Universidade Federal de Minas Gerais, onde conheceram o Programa Ações Afirmativas, e em outros pontos da cidade que têm relação com os temas pesquisados.

Em 2016, toda a escola foi mobilizada para desenvolver um projeto pautado pela seguinte questão: qual é o espaço do negro em Belo Horizonte e na região metropolitana? As cotas na universidade, a representatividade nos negros na mídia, o preconceito e a discriminação foram alguns dos assuntos nas rodas de conversa realizadas em sala de aula. Organizados em grupos e com a orientação de um professor, os alunos se dedicaram a pesquisar, por exemplo, a capoeira, os duelos de MCs (como são chamadas as competições entre os Mestres de Cerimônia do funk), a religiosidade, a presença de afrodescendentes na E. E. Olegário Maciel e os personagens negros na história do Brasil. Em novembro de 2016, eles apresentaram vídeos gravados com o celular sobre os assuntos pesquisados. Para Gustavo Almeida Lopes, 18 anos, 3º ano, o projeto mostrou que qualquer espaço da sociedade pode e deve ser ocupado pelo negro: “é preciso romper com a ideia de que há lugar [para ele] apenas no esporte e nas artes”.

Alunos da E. E. Olegário Maciel editam minidocumentário sobre o negro em Belo Horizonte (MG). Crédito da foto: Auremar de Castro.

Em 2017, o projeto é sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos. A supervisora pedagógica Luciana Franca e Gomes explica que o objetivo é fazer com que os jovens vivenciem um projeto de iniciação científica sobre temas definidos por eles, partindo de vários artigos da Declaração. Por exemplo, a qualidade de vida, um dos artigos, será estudada em diferentes aspectos, como os que se referem ao acesso à informação, à energia, ao saneamento básico, entre outros. No fim do ano, haverá a apresentação dos alunos de banners e de painéis, assim como ocorre nos eventos científicos.

Rosangela Guerra é jornalista, graduada pela Faculdade de Comunicação Social Casper Líbero (São Paulo, SP). Cria e desenvolve projetos editoriais voltados para professores da educação básica, alunos e suas famílias. Para entrar em contato envie um e-mail para rosangelaguerra@gmail.com.

Crédito da foto da autora: Auremar de Castro.

Crédito da foto de capa: Rawpixel.com/Shutterstock

19 Comentários

  1. Angela

    Já há muito percebia que a escola estava distante da realidade e, agora, cada vez mais!!

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Angela,

      Para tornar a escola mais próxima da realidade dos jovens é preciso mesmo que os professores se coloquem em posição de escuta, como sugere Macaé Evaristo, Secretária de Educação de Minas.
      Um abraço e muito obrigada pelo comentário,
      Rosangela

      Responder
  2. Cláudia C. Fonseca

    Muito bacana a matéria! Ouvir, acolher e estabelecer um lugar de troca com os jovens é fundamental para a escola. Parabéns!

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Olá Cláudia,
      Vi que você compartilhou a matéria na Facebook. Isso é muito bom!
      Muito obrigada e um abraço para vc,
      Rosangela

      Responder
  3. Cristina

    Bom saber que os jovens estão sendo ouvidos e atendidos em suas demandas! Esse olhar atento para a cultura juvenil, para acolher a diversidade social e cultural é muito importante.

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Olá Cristina,
      A escola tem que abrir as portas para a cultura juvenil e valorizar a diversidade. Isso é uma riqueza para a formação de toda a comunidade escolar.
      Muito obrigada pelo comentário.
      Um grande abraço para vc,
      Rosangela

      Responder
  4. Guilherme Amorim

    Alvissareiro que em meio aos desafios atuais a vida se mantenha pulsante nas escolas, pelo menos nas que se propõem a ouvir os estudantes. Há que se cuidar do broto, já cantava um conterrâneo dessa juventude abordada de forma tão generosa também aqui na matéria.

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Olá Guilherme,
      Há vida pulsante em muitas escolas públicas. Professores e alunos estão se movimentando, fazendo trabalhos que merecem ter conhecidos. A notícia notícia boa precisa ter espaço na mídia.
      Muito obrigada pelo comentário e um abraço para vc,
      Rosangela

      Responder
  5. Maria Angela Paulino Teixeira Lopes

    Mais uma vez, pelas mãos de Rosangela Guerra, somos levados a pensar em formas mais significativas de construir conhecimentos, de modo a efetivar a participação dos nossos estudantes nas práticas sociais. A matéria mostra que é possível articular as ações ligadas às várias áreas do conhecimento e que é pelo discurso (em todas as suas formas) que tal articulação pode acontecer. Adorei o projeto de iniciação Científica da E E Olegário Maciel!

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Professora Maria Angela,
      Sim, é possível articular as diversas áreas do conhecimento, principalmente, quando na escola há trabalho coletivo, gestão democrática e aposta no potencial dos alunos.
      Muito obrigada pelo seu comentário.
      Um grande abraço,
      Rosangela

      Responder
  6. TANIA RAMOS FORTUNA

    Parabéns pela matéria! Vamos divulgá-la amplamente entre os formadores de professores de jovens.

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Professora Tania,
      Recebo com alegria a notícia de que a matéria será divulgada entre os formadores de professores de jovens.
      Fiquei feliz!
      Muito obrigada. Receba o meu abraço,
      Rosangela

      Responder
  7. Neusa Sorernti

    Ótimo artigo.O diálogo, o compromisso e o afeto ainda são alternativas eficazes nos caminhos que levam à educação.Parabéns.

    Responder
  8. Rosangela Guerra

    Olá Neusa,

    Concordo com vc. A escola tem que ser um espaço em que todos podem falar, ser ouvidos, respeitados e acolhidos.
    Obrigada pela leitura e por ter deixado aqui o seu comentário.
    Um abraço,
    Rosangela

    Responder
  9. Suzana dos Santos Gomes

    Prezada Rosangela,
    Parabéns pela matéria.
    É muito bom saber que muitas escolas estão abrindo espaço para ouvir nossos alunos do Ensino Médio.
    Vamos divulgar.
    Abraços.

    Suzana Gomes

    Responder
    1. Rosangela Guerra

      Suzana,
      Precisamos mesmo divulgar as notícias boas porque isso pode inspirar os professores que lecionam para os jovens. Que bom que vc vai divulgar a matéria.
      Um grande abraço para vc.
      Rosangela

      Responder
  10. Angela Leite de Souza

    Rosangela querida, seu texto é excelente em todos os sentidos! E deixou em mim um certo alento – pode haver luzes no fim desse túnel comprido que tentamos atravessar… Parabéns!
    Abraço grande!
    Angela

    Responder
  11. Regina Melo

    Rosangela, seu texto é crítico à escola tradicional que se preocupa em ensinar para os jovens e é também propositivo ao apresentar várias experiências de ensino com os jovens.
    Ao valorizar a escuta dos jovens, revela relações de confiança e responsabilidade na construção de uma escola pública de qualidade.

    Responder
  12. Rosangela Guerra

    Angela,

    Em vários cantos do País, há coletivos juvenis mobilizados e cheios de ideias novas e interessantes que podem trazer muitas contribuições para a educação. São pontos de luz a nos inspirar.
    Um beijo para vc e muito obrigada pelo comentário.
    Rosangela

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *