Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Hoje não vai dar…

(Texto de Ivonete Lucirio)

Quantas vezes você diz essa frase por dia? Será que não dá mesmo, ou você está procurando uma desculpa para não fazer algo?

O maestro João Carlos Martins [foto] já fez 22 cirurgias nas mãos e continua tocando piano. O atleta paraolímpico Daniel Dias nasceu sem os pés e as mãos e ganhou oito medalhas de ouro no Parapam de Toronto, no Canadá, em 2015. Aos 86 anos, Maria Francisca Coruja formou-se em Direito, no Rio Grande do Sul, com a ambição de trabalhar com direito previdenciário.

Maestro João Carlos Martins. Crédito: Viva Produtora

Precisa mais? Esses são apenas alguns exemplos de que – quando a gente quer – é possível fazer tudo (ou pelo menos quase). Então, pare de arrumar desculpas.

“Muitas vezes damos desculpas para nós mesmas, e realmente acreditamos que sejam válidas”, comenta Bel Pesce, fundadora da FazINOVA, escola que ajuda as pessoas a realizar seus sonhos, e responsável pelo site Caderninho da Bel. No site, há vídeos da Bel com dicas de comportamento. “Sempre que você for dar uma desculpa, para e escuta aquilo. Analisa o que está falando, vê se realmente é válido. Aposto que algumas não serão”, completa ela.

Será que precisamos realmente dar desculpas para nós mesmas? “Sim. Elas servem para nos afastar da culpa por ter decidido não fazer algo. Se você escolhe deixar de realizar alguma coisa, tem de carregar o peso da decisão. Agora, quando arruma uma desculpa, não há mais esse peso”, comenta a psicóloga clínica e neuropsicóloga Ana Paula Cuocolo Macchia, do Instituo Idea. “Além disso, assumir publicamente que não quer fazer algo pode gerar discussões, conflitos e prejudicar a imagem. A pessoa pode parecer indolente, preguiçosa, ou sem força de vontade”, explica a psicóloga Olga Tessari, autora do livro Dirija sua vida sem medo (à venda pelo site Ajuda emocional).

Há um ditado popular muito interessante que diz que “quem quer faz. Quem não quer arruma desculpa”.  Pois arrumar desculpas é muitas vezes a forma escolhida de agir.

Vamos pensar em uma pessoa que quer largar o cigarro, mas vive arrumando um pretexto para não fazer isso: engorda; estou passando por um período muito tenso no trabalho; me acostumei às pausas no trabalho para ir fumar. Sabe por quê? Porque ela não quer realmente. “Difícil assumir para as pessoas que você não quer largar algo que te mata. Então, é mais fácil arrumar uma desculpa. É muito difícil lidar com o julgamento alheio e também com o nosso próprio julgamento”, diz Ana Paula.

Como fugir dessa armadilha que armamos para nós mesmas? “O primeiro passo é uma boa dose de autoconhecimento! Se não quer fazer, há um motivo, que pode ser medo, ciúme, egoísmo, ansiedade ou qualquer outro. Conhecendo o motivo, é mais fácil livrar-se da culpa. Portanto, não será necessário arrumar uma des-culpa”, raciocina Ana Paula. Isso não é fácil, nem rápido. “É um processo que envolve tomar uma decisão interna que valoriza, em primeiro lugar, uma coerência consigo mesma”, completa ela.

Que tal fazer um exercício? Em um caderno, crie duas colunas: “justificativas verdadeiras” e “desculpas”. Sempre que deixar de fazer algo que deveria, algo que tinha prometido a si mesmo, anote o por quê, os motivos de não fazer em uma dessas duas colunas. Seja sincera consigo mesmo nessa análise; não é preciso nem mostrar esse registro aos outros. Ao final de sete dias, faça uma autoavaliação. Talvez você se surpreenda com a quantidade de desculpas das quais você nem tinha se dado conta!

Sugestão de leitura:

Texto de Ivonete Lucirio, jornalista que adora escrever para revistas – digitais ou impressas. Escreve artigos para várias publicações de circulação nacional, é autora de livros paradidáticos e já ministrou oficinas de escrita criativa.

 Ilustração de destaque de Carlos Asanuma, mais conhecido por Asa. Trabalhou muitos anos em editora de livros didáticos, como Editor de arte, e agora dedica seu tempo ao desenho. Desenha desde criança. Ilustrou para revistas, jornais, publicações empresariais e livros didáticos. Além de desenhar, curte muito fotografia; adora fotografar insetos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *