Férias para ajudar os outros

Você já pensou em aproveitar seu período de descanso para realizar trabalho voluntário em outros estados ou países? Essa é uma possibilidade para viver novas experiências, aprendizados e até mesmo para incrementar o currículo.

(Texto de Ivonete Lucirio)

Aqueles 30 dias que você reserva por ano para descanso são sagrados, certo? Mas talvez não seja uma má ideia aproveitar as férias para fazer uma atividade diferente. Ganham cada vez mais adeptos as viagens com foco em trabalho voluntário. Pode soar estranha a ideia de trabalhar nas férias mas, como o objetivo principal é totalmente diferente do que ocorre em uma rotina diária, há chances de descansar, já que muda o foco. E nada impede que ao final da viagem se aproveite para fazer turismo. “Esse tipo de viagem é indicado para qualquer um que queira viver uma experiência diferente, ajudar os outros e se conectar com pessoas e vivências. Profissionais podem aproveitar a oportunidade para conhecer sua área de atuação em outro país. Ou até mesmo experimentar um cotidiano de trabalho bem oposto ao seu e aprender muito com isso”, diz Ana Beatriz Serpa, autora do site Planejo viajar (planejoviajar.com.br), que já vivenciou várias experiências desse tipo.

O trabalho voluntário é uma maneira de você doar o que tem de mais importante: seu tempo e sua generosidade, compartilhando alegrias e reduzindo o sofrimento. Mas você pode, ainda, obter vantagens para a sua vida profissional. Além de conhecer novos amigos, existe a possibilidade de fazer contatos interessantes, tornar-se mais fluente em outros idiomas e ganhar pontos extras no currículo. Esse tipo de experiência demonstra autonomia, proatividade e interesse social, características amplamente valorizadas no mercado de trabalho atual. Se você se interessou, veja a seguir algumas perguntas e respostas para ajudar a se programar.

Que tipo de trabalho é realizado?

São várias as possibilidades. Existe a opção de trabalhar com idosos, crianças, portadores de necessidades especiais; participar de eventos internacionais e projetos de ajuda humanitária em países com elevada vulnerabilidade social; ou de trabalhos educacionais. Há também ações voltadas aos cuidados com animais, como acompanhar a desova de tartarugas marinhas ou ajudar na recuperação de animais vítimas de maus tratos. Tudo depende de sua afinidade com a causa e de seus interesses.

Posso escolher exatamente o projeto em que quero trabalhar?

Nem sempre. Muitas agências permitem escolher o projeto ou, pelo menos, a linha de interesse e o país. Mas muitas vezes não há disponibilidade para o período do ano escolhido. Então, você pode ser direcionado a um projeto semelhante, com os mesmos propósitos.

É preciso ficar um mês inteiro?

Não. Você pode escolher o período que pretende ficar, dependendo do projeto. Há opções para estadia a partir de uma semana e até meses, estes destinados a pessoas que decidiram tirar um período sabático. Raramente ultrapassam os três meses, tempo concedido para a estadia de turistas na maior parte dos países. “Trabalhos voluntários com turismo ou ações sociais em geral requerem um comprometimento maior, já que envolvem conhecer o lugar. Já trabalhos ambientais, como acompanhar a temporada de desova de tartarugas marinhas em alguma praia no Caribe, podem ter uma duração mais limitada. Recentemente, eu ajudei na manutenção de um veleiro em Angra dos Reis e durou uma semana”, conta Ana Beatriz Serpa.

Em quais locais são mais frequentes esses tipos de projetos?

Os países mais abertos a esse tipo de colaboração estão na América do Sul, na Ásia e na África, embora haja possibilidades também na Europa e nos Estados Unidos. E, se preferir, nem precisa sair do Brasil. É possível dar aula de surfe para crianças nas praias do Rio de Janeiro, envolver-se em projetos educacionais no sertão nordestino, cuidar de animais em Goiás, entre tantas outras opções.

Crédito: Oliver OMG/Shutterstock

É preciso pagar para trabalhar nesses projetos?

Na maioria das vezes, sim. Para muitas instituições, o trabalho voluntário é uma das formas de arrecadação de fundos. Assim, os coordenadores cobram uma taxa para as despesas com alimentação e acomodação do voluntário, mais uma taxa de doação para a entidade. Mas há também a possibilidade de conseguir um intercâmbio de trabalho: você ganha casa ou comida, ou os dois, em troca do trabalho que realiza.

Fica-se sempre hospedado na própria instituição?

Essa é uma das possibilidades. Mas é possível se hospedar também em hostess ou em casas de família.

A quem devo procurar se quiser realizar esse tipo de viagem?

Você pode fazer contato diretamente com a instituição. Nesse caso, precisa organizar todo o restante da viagem também, como passagem, visto e, muitas vezes, estadia. Se quiser experimentar essa oportunidade, pode começar a pesquisa no site Any Work Anywhere.

Se tiver pouco tempo para uma boa seleção, procure uma agência. Veja a seguir algumas que oferecem esse tipo de serviço:

Depois de escolher sua opção, basta arrumar as malas e se preparar para conhecer uma realidade nova, fazer amigos e viver experiências ricas e diferentes. Boa viagem!

 

Texto de Ivonete Lucirio. Jornalista que adora escrever para revistas – digitais ou impressas. Escreve artigos para várias publicações de circulação nacional, é autora de livros paradidáticos e já ministrou oficinas de escrita criativa.

 

 

Crédito da foto principal: Mila Supinskaya/Shutterstock

Datas de acesso dos sites: 31 maio 2016.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *