Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

“Crowdfunding” para educação

(Texto de Caio Dib)

Quantos projetos você já deixou de concretizar por falta de verba? Desde 2011, mais de 3 200 pessoas buscaram superar esse desafio, compartilhando suas propostas de iniciativas de projetos em plataformas de crowdfunding, o chamado financiamento coletivo, ou “vaquinha virtual”. Quase 70% das iniciativas foram inscritas com o objetivo de captação de verba nas três maiores plataformas brasileiras destinadas a esta finalidade. São elas:

Foram quase R$ 4 milhões arrecadados em 2 200 pequenos e micro financiamentos. Em 2013, o Catarse promoveu a pesquisa “Retrato Financiamento coletivo Brasil – 2013/2014”. Desde então, o setor evoluiu bastante, mas vale enfatizar algumas descobertas desse estudo:

  • A maioria das pessoas que participam de financiamentos coletivos vive no Sudeste e tem entre 25 e 40 anos, mas há grandes apostas de popularização dessa modalidade de captação de recursos no Nordeste e no Centro-Oeste.

Índice do uso de financiamento coletivo por região x Distribuição da população brasileira por região (2013-2014)

O índice na cor preta representa a porcentagem do uso de financiamento coletivo por região. O índice na cor branca representa a distribuição da população brasileira por região, de acordo com o Censo 2010 (IBGE).

Fonte dos dados: “Retrato Financiamento coletivo Brasil – 2013/2014”. Disponível em: <http://pesquisa.catarse.me/>. Acesso em: 30 jul. 2016.

  • 41% dos entrevistados na pesquisa tinham mais interesse em apoiar projetos sociais ou ambientais, destinados a fortalecer comunidades de maneira responsável e solidária. Outros 24% se interessavam em projetos destinados a viabilizar o empreendedorismo, novos produtos ou serviços. Mais especificamente, projetos criados em escolas ou em organizações que buscam melhorar a educação de crianças, jovens e adultos. 52% se interessavam em apoiar iniciativas artísticas e culturais independentes.
  • A Educação se destacou como a principal causa de interesse para os apoiadores e como a área com mais demanda de projetos relevantes. Em segundo lugar, os projetos em transportes e mobilidade urbana, seguidos dos projetos ambientais. Ver em: “Retrato Financiamento coletivo Brasil – 2013/2014”. Disponível em: <http://pesquisa.catarse.me/>. Acesso em: 30 jul. 2016.

Minha história com o financiamento coletivo em educação

Em 2013, fiz meu primeiro crowdfunding para conseguir publicar o livro Caindo no Brasil: uma viagem pela diversidade da Educação. Consegui reunir mais de 300 pessoas para concretizar o projeto, em que compartilhei histórias de iniciativas que fazem a diferença na educação brasileira.

Aprendi acertando e errando nessa primeira campanha. Em seguida, tive a oportunidade de apoiar uma campanha que financiou a viagem de um estudante da USP e morador da comunidade de Paraisópolis para sua primeira conferência internacional e dois projetos criados por jovens com idades entre 11 e 14 anos para promover mudanças positivas no bairro onde moram e estudam (mais informações em: Catarse – Transformação e Catarse – Paraíso anda de bike). Também apoiei pontualmente mais algumas dezenas de projetos na área de educação. Cada um deles com potencial de realizar sonhos e transformar muitas realidades, o que não seria possível sem esses investimentos (na maioria dos financiamentos coletivos, foi possível obter um montante final que variou entre R$ 2 mil e R$ 8 mil reais por projeto).

Dicas rápidas para você fazer também:

  • Tenha um objetivo claro e verdadeiro, com real significado para você.
  • Crie um texto explicativo do projeto, direto e objetivo. As pessoas geralmente preferem ver também imagens como infográficos e cenas reais do projeto.
  • Ofereça recompensas que se relacionem com o projeto e tente não usar uma verba muito relevante para produzir canecas e canetas.
  • Seja transparente nas finanças: mostre como cada real vai ser empregado.
  • Ainda falando de dinheiro, tenha muito cuidado na hora de fazer as contas da quantia necessária para o projeto. Tente contemplar todos os itens e detalhes.
  • Divulgue a iniciativa: entre amigos, formadores de opinião, veículos da mídia e nas redes sociais (o “não” você já tem).

Quer saber mais?

· Retrato Financiamento coletivo Brasil 2013/2014. Disponível em: <http://pesquisa.catarse.me/>. Acesso em: 30 jul. 2016.

· Financiamento coletivo ajuda viabilizar projetos de educação. In: Porvir. Disponível em: <http://porvir.org/financiamento-coletivo-ajuda-viabilizar-projetos-de-educacao/>. Acesso em: 30 jul. 2016.

 Caio Dib é criador do Caindo no Brasil. Ele adora trocar ideias e marcar cafés, então, entre em contato pelo www.facebook.com/caio.dib ou caiodib@caindonobrasil.com.br para continuar essa conversa.

Crédito da foto principal: © https://www.catarse.me/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *